Links Úteis
Confidencial

Subscrever Newsletter

Internacional

Entrevista exclusiva

Mali: LE COREN lança um SOS à Comunidade Internacional

Bamako – A PNN entrevistou a direção do LE COREN (LC), sobre a actual situação no país, que nos dá conta das posições desta associação apolítica da Sociedade Civil, que agrupa cidadãos das regiões do Norte do Mali (GAO, TOMBUKTU, KIDAL e MOPTI).

PNN - No actual contexto, o que pensa o LE COREN do Acordo para a transição de Governo?

LC - A nossa expectativa é o regresso progressivo e negociado a uma via constitucional normal. Entretanto, a transição deverá procurar prioritariamente a reconquista das zonas sob ocupação dos terroristas e avançar urgentemente para o resgate de um cordão humanitário no norte do Mali.

Devido à parte ocupada do território, deve ser declarado o Estado de Sítio até à reconquista total da integridade territorial do Mali. Toda a preparação das Eleições deve ser suspensa, tendo em conta esta situação excecional que se vive no país.

PNN - Qual é a vossa opinião sobre a situação política em Bamako?

LC - A confusão política tem tendência a esbater-se pouco a pouco em Bamako e é espectável que venha a manter-se este quadro. A classe política no Mali é unânime na decisão de combater o inimigo terrorista. Esta é igualmente a posição da Sociedade Civil.

PNN - É possível que os grupos no Norte venham a constituir verdadeiramente a Independência da região? O que pensa o LE COREN sobre esta possibilidade?

LC - A Independência proclamada de um pretenso território de AZAWAD é uma ilusão, uma farsa, uma diversão, uma utopia, porque aqueles que a reclamam são uma minoria ilegítima composta por um grupo étnico bastante minoritário.

Na verdade, o seu único objectivo é o de forjar um território sobre o nosso solo, pelos terroristas monitorizados no Afeganistão, no Iraque, no Paquistão, na Argélia, na Mauritânia, entre outros.

O MNLA não passa de um bando de jovens activistas que servem os agentes de propaganda, disfarçados de terrorismo de uma novo islão inventado e instrumentalizado pelo narcotráfico.

As tentativas de distinguir o MNLA dos terroristas e islamistas não passa de uma manobra de diversão para acalmar uma opinião europeia que há muito tempo fantasia sobre os «homens azuis» quando se fala dos tuaregues.

Com efeito, é supérfluo e desonesto crer na credibilidade de indivíduos que se pretendem liberais mas que se envolvem em violações, em assassinatos pela decapitação, na pilhagem e na destruição total dos bens das pessoas que eles dizem livres.

Estes actos, que fazem parte do quotidiano, só são cometidos contra as populações sedentárias de GAO, TOMBUKTU e MOPTI. O que quer dizer que há um caráter racista destes bandidos.

LE COREN considera que a única solução válida consiste em combater os terroristas até ao seu derradeiro entrincheiramento. Para isso, é necessária uma convergência de esforços e meios de toda a comunidade humana civilizada.

PNN - Qual é a verdadeira situação em Tombuktu, Kidal e Gao? Na vossa óptica há uma solução política para o norte do Mali, neste momento? Em vosso entender, que outras soluções poderão ser encontradas para resolver o problema do Norte?

LC - A situação é caótica em Gao e Tombuktu, onde faltam água, alimentos e eletricidade.

Os hospitais e outras estruturas de saúde transformaram-se em guarnição militar para os terroristas, depois de as terem totalmente vandalizado.

As mulheres acabam por morrer durante o parto, devido à falta de assistência médica, e mesmo as jovens são violadas, muitas vezes em público.

Algumas são tiradas de suas casas e levadas para destinos desconhecidos. Kidal encontra-se deserta de seus habitantes.

Os homens amontoam-se nos camiões de mercadorias e fogem de Gao e Tombuktu, deixando para trás as mulheres e os filhos, para escaparem à lâmina sangrenta das espadas terroristas e das suas balas assassinas. Os cristãos foram saqueados ou abatidos em Gao.

PNN - Como podem ser descritos os principais grupos do Norte do Mali?

LC - Há três grandes grupos na África Ocidental: O Império do Gana, o Império do Mali e o Império Songhoi.

Estes três impérios têm reinado sucessivamente sobre toda a totalidade do actual território do Mali. Os descendentes de mestres e príncipes do Império Songhoi constituem a etnia songhoi ou sonhrais, que partilha actualmente os territórios das regiões de Tombuktu e Gao com os tuaregues, os peuls e os árabes.

Os primeiros ocupantes autóctones da atual região de Kidal são sonhrais, um povo de raça negra. Durante a queda do Império Songhoi, a parte norte do Mali esteve sob a autoridade de Marrocos, cujos conquistadores se misturaram com os songhoi, dos quais nasceram os negros, daí o nome da família Touré, surgindo a etnia tuaregue designada em songhoi sourgou e em tamacheq imouchar, que vivem actualmente no território em redor de Menaka, na região de Gao e em redor de Diré e Goundam, na região de Tombuktu.

Esta tribo tuaregue não se deve confundir com as outras tribos que os songhoi chamam daga.

Os tauregues do norte do Mali não representam mais do que 5% da população. A maioria é composta de sonhrais (65%-75%). Peulh e árabes constituem cerca de 25%.

São inúmeras as sub-tribos de tuaregues e convém explicitar que de todas estas tribos e etnias que ocupam as regiões norte do Mali, que os activistas propagandistas do terrorismo proclamaram a independência de um território absurdamente chamado Azawad, constituem uma ínfima minoria de grupúsculos ifoghas, idnane, dohassak e chamanamas, que não se preocupam com as questões de paz e de desenvolvimento, nem em integrarem-se com os seus irmãos songhoi, peulh, arabes, tuaregues sourgou ou daga.

O LE COREN lança um SOS à Comunidade Internacional, para acabar com o terrorismo. Se este apelo for entendido e atendido nós ficaremos muito felizes e os povos indígenas do norte do Mali, legítimos descendentes de imperadores, reis e guerreiros poderão libertar-se das sombras enganadoras de calculismos terroristas e fétidos mercantilismos, muitas vezes de Estado.

(c) PNN Portuguese News Network

2012-04-12 17:10:38

MAIS ARTIGOS...
  Guiné-Bissau: DG de Migração reconhece dificuldades no controlo das fronteiras
  Angola: Eduardo dos Santos felicita Filipe Nyussi pelas eleições em Moçambique
  Pistorius condenado a cinco anos de prisão pela morte da namorada
  Reino Unido: David Cameron responde a Durão Barroso
  Espanha: Conselho Geral de Enfermagem critica resposta ao ébola no país
  Morreu o Presidente da petrolífera Total num acidente em Moscovo
  Timor-Leste: Exportação de café aumentou nos últimos dois anos
  Reino Unido: Voluntário regressa à Serra Leoa depois de recuperar do ébola
  Guiné-Bissau: Governo pede esclarecimentos sobre adiamento da retoma da rota da TAP
  Guiné-Bissau: Nomeados governadores para as oito regiões do país
  Guiné-Bissau: Secretário de Estado das Comunidades denuncia má conduta na Embaixada em Lisboa
  Moçambique: Inspecção-Geral do Trabalho suspende 25 cidadãos ilegais

Comentários

Nome:

E-mail:

Comentário:


Hospedagem de Sites Low CostJornal Digital Cabinda Digital Luanda Digital Bissau Digital Timor Leste Cabo Verde Maputo Digital
Notícias no seu site Recrutamento Estatuto editorial Ficha técnica Contactos Publicidade Direitos autorais Banners