Links Úteis
Confidencial

Subscrever Newsletter

Internacional

Golpe de Estado

Guiné-Bissau: Comando Militar diz-se alvo de «ataques» pela imprensa portuguesa

Bissau – O Comando Militar guineense, que protagonizou o golpe de Estado no país, a 12 de Abril, disse que tem sido alvo de ataques pela imprensa portuguesa sobre este assunto.

Numa nota de imprensa distribuída aos jornalistas no final de uma conferência, realizada esta terça-feira, 22 de Maio, em Bissau, o Comando Militar disse que «chegou a altura para dar esclarecimentos».

Neste sentido, o Comando começou por enumerar alguns acontecimentos que se registaram desde 2005 até esta data, considerando o período de mandato de Carlos Gomes Júnior como não democrático.

«Democrático? De modo algum. O facto de se realizarem eleições não significa nada. No Estado Novo de Salazar e Caetano, também houve eleições Presidenciais e Legislativas», lê-se no comunicado.

Em relação à deslocação de Carlos Gomes Júnior e de Raimundo Pereira a Portugal, o Comando Militar considerou a sua cobertura jornalística como «hostil ao poder actualmente instalado na Guiné-Bissau».

Neste sentido, o Comando Militar disse não estranhar, justificando que, aquando do conflito armado de 7 de Junho 1998, o Governo português esteve ao lado da rebelião, tendo condecorado o Chefe de uma rebelião que causou morte a muitos guineenses.

Por outro lado, os autores do golpe de 12 de Abril acusaram Carlos Gomes Júnior de pertencer ao exército português, cujo poder era quase uma reconquista da Guiné-Bissau pelos portugueses depois da derrota na guerra colonial.

«Esta terra custou muito sangue para ser independente, pode custar ainda mais, mas não a entregaremos», determinou o Comando Militar.

O Comando Militar afirmou ainda que Carlos Gomes Júnior enviou o secretário de Estado dos Antigos Combatentes, Fode Cassamá, para recrutar rebeldes de Cassamance para simular um ataque à MISSANG, com a finalidade de incriminar as Forças Armadas da Guiné-Bissau, o que provocaria uma forte reacção militar por parte do Estado angolano.

O documento diz ainda que, na altura do golpe de Estado que afastou Koumba Yala do poder em 2003, não se ouviram muitos protestos.

O comunicado destaca os acontecimentos que marcaram a Guiné-Bissau a partir do ano 2005, referindo que, em 2010, o Primeiro-ministro Carlos Gomes Júnior mandou libertar um barco com várias toneladas de cocaína, citando o depoimento de Artur Silva, na altura ministro da Defesa Nacional.

O Presidente de Transição nomeado pela CEDEAO na Guiné-Bissau, Serifo Nhamadjo, esteve reunido, esta terça-feira, com os representantes da sociedade civil.

Trata-se de um encontro que visa encontrar um entendimento sobre a crise criada no país pelos militares depois do golpe de Estado de 12 de Abril.

(c) PNN Portuguese News Network

2012-05-23 13:11:27

MAIS ARTIGOS...
  Carmelita Pires defende a extinção dos Círculos Eleitorais na Guiné-Bissau
  Fatah e Hamas anunciam acordo de reconciliação
  Guiné-Bissau: CNE anuncia resultados definitivos das eleições Legislativas
  Guiné-Bissau: JOMAV e Nabiam disputam segunda volta Presidencial a 18 de Maio
  Moçambique: Ataque entre forças do Governo e da Renamo causa dois mortos
  Brasil: Manifestação em Copacabana causa um morto
  Gilberto Rodrigues: MUJAO anuncia morte de refém franco-português no Mali
  Moçambique: Sepultadas 11 vítimas do acidente da LAM
  Cabo Verde: Prémio Revelação «Sete Sóis Sete Luas» a 26 de Abril
  Timor-Leste: Xanana Gusmão dirige críticas às Nações Unidas
  Guiné-Bissau: Ramos-Horta continua a defender a formação de um Governo inclusivo
  Guiné-Bissau: PAIGC com margem para governar sem grandes compromissos

Comentários

Nome:

E-mail:

Comentário:


Hospedagem de Sites Low CostJornal Digital Cabinda Digital Luanda Digital Bissau Digital Timor Leste Cabo Verde Maputo Digital
Notícias no seu site Recrutamento Estatuto editorial Ficha técnica Contactos Publicidade Direitos autorais Banners