Links Úteis
Confidencial

Subscrever Newsletter

Sociedade

Produtos básicos a preços acessíveis

São Tomé e Príncipe: Governo vai criar «Loja do Povo»

São Tomé – O Governo vai criar uma «Loja do Povo», que assumirá directamente a comercialização de alguns produtos básicos a preços mais acessíveis.

A medida surge «para estabilizar a situação dos santomenses». A decisão política foi anunciada pelo Primeiro-ministro, Patrice Trovoada, ao falar do estado da nação numa grande entrevista concedida apenas aos órgãos audiovisuais estatais da comunicação social (Rádio Nacional e Televisão Santomense).

A iniciativa de falar ao país acontece quando se fala de uma hipotética manifestação que está a ser organizada pela oposição oficialmente não identificada mas, como afirmou, «tem um rosto».

O motivo é a subida de preços de alguns produtos básicos, nomeadamente
O arroz e o tomate.

«O Governo aprendeu a lição» e esta resposta pode vir a «afectar» alguns operadores económicos, tendo em conta que o mercado está liberalizado.

A modalidade de funcionamento e a data da abertura da referida loja serão conhecidas posteriormente.

Patrice Trovoada avisou ainda que as manifestações podem ser respondidas com contra-manifestações favoráveis ao Governo.

O Chefe do Executivo garantiu que tem procurado dialogar com os partidos da oposição e os parceiros sociais para se irem encontrando soluções para os problemas do país. Ele pediu aos opositores que se deixem de «politiquices», porque «o país é de todos».

«Os meus opositores que pretendem amanhã governar São Tomé e Príncipe, que contribuam para encontrar as respostas. Mas não instiguem essas pessoas, não ponham ainda mais o dedo na ferida a dizer para saírem à rua, (…) quando eles próprios não têm solução. Considero isso irresponsável».

A «Loja do Povo» já existiu nos primeiros anos da independência. Patrice Trovoada que admitiu que o «Governo tem deficiência de comunicação» pretendeu, com a entrevista, esclarecer também a população sobre o que o Executivo tem feito nestes dois anos.

Prometeu ainda divulgar o «Masterplan» para o desenvolvimento do país, a partir da próxima semana.

Durante o programa, o Primeiro-ministro referiu-se aos esforços para obter receitas internas e mobilizar investimento privado, reiterou que os tribunais estão a funcionar mal e qualificou de «boas» as relações com o Presidente da República, Manuel Pinto da Costa.

Mostrou-se convencido de estar «no bom caminho», porém, a caminhada vai exigir trabalho, esforço e sentido de responsabilidade.

«Nós estamos numa fase em que o país precisa de diálogo, concertação e estabilidade para ultrapassarmos esse período crítico», sublinhou.

O 14º Governo constitucional entrou em funções a 14 de Agosto de 2010.

(c) PNN Portuguese News Network

2012-07-03 16:16:41

MAIS ARTIGOS...
  São Tomé e Príncipe celebrou o 39.º aniversário da Independência
  São Tomé e Príncipe: Líder do STJ apela à investigação da fuga de crianças no país
  São Tomé e Príncipe: Dados do Recenseamento Geral disponíveis
  Austrália dá apoio financeiro a São Tomé e Príncipe
  Provas de selecção de estudantes para a Unilab entre 16 e 23 de Outubro
  São Tomé e Príncipe: Prosseguem as negociações sobre os petroleiros apreendidos
  São Tomé e Príncipe: Capitães dos petroleiros libertados
  São Tomé e Príncipe: Vandalizado sistema de Iluminação de pistas no aeroporto
  São Tomé e Príncipe: Ano lectivo arranca sem perturbações
  São Tomé e Príncipe: Condições criadas para implementação de Carreira no sector da Saúde
  São Tomé e Príncipe: Sindicatos da Educação e Saúde querem implementação de estatuto de carreira profissional
  São Tomé e Príncipe: Conselho Superior de Imprensa faz deliberações

Comentários

Nome:

E-mail:

Comentário:


Comentários
  
Anca  2012-07-03 19:26:22
Muito bem

Esta é uma boa iniciativa, dentre outras que se pode ter para colmatar a situação do país(Mar, Território, População).

Mas como mencionado na notícia;

" O Governo vai criar uma "Loja do Povo", creio, que esta iniciativa, deve ser extensível a todo território/população, para almejar e colmatar, efeitos praticos e de diferências de preços e de carências, nas diferentes regiões e distritos do país(território/população).

Subjacente a esta ideia/iniciativa, é também de ambicionar, a criação de lojas do cidadão, de modo a aproximar os serviços dos cidadãos, e desta forma, proceder a descentarlização, dos serviços, e das decições, julgo, que as autarquias locais, independente da cor política, podem e devem desempenhar um papel crucial, embora é necessário referir, que na eventualidade de prossecução futura desta e de outras, inicidas a nível do território nacional, devemos encontar com os nossos parceiros de cooperação, bem como a sociedade civíl organizada a classe economica privada, tendo em conta os custos a assumir pelo ou pelos governos.

Quanto á;

Deficiência de Comunicação no Governo;
Esta é uma boa altura, do Sr; Primeiro Ministro, Patrice Trovoada, fazer um balanço, que do foi feito até então, do que falta ainda fazer, bem como ter assente nunca descurar, a realidade gestão/visão do país(Mar; Território; População), no seu todo, handicapes do desenvolvimento de infraestutura e serviço, de medidas, reformas, de planos a nível social(Justiça,educação/formação de qualidade, saúde, agricultura, pescas, turismo), cultural, desportivo, polítíco, ambiental, econónmico e financeiro, para engrenagem do desenvolvimento homogeneo, e sustentável do país(Mar, Território, População), pois que nesta matéria...e é preciso referi-lo, alguns membros do governo, devm um puchão de orelha, pois devem empenhar-se mais e melhor, para uma comunicação e objectivos comuns da governação, de forma a tornar as instituições mais forte, que deêm respostas aos problemas da sociedade em que estamos todos inceridos.

Quanto á oposição;

É de recordar, que têm que assumir responsabilidade, sobre o passado, presente, e futuro do páis(Mar, Território, População), pois que a situação em que se encontra, o páis, e é preciso dize-lo,...pobreza, miseria, fome,... a nível social( Justiça, educação/formação de qualidade, saúde, agricultura, turismo, etc,etc...), cultural, desportivo, político, ambiental, económico e financeiro, é resultado de anos de irresponsabilidades de governação, dos partidos de oposição, MLSTP/PSD, bem como do PCD/GR, por isso, outra cultura, um outro paradigma, de modo de fazer, ser e estar na política, faz-se sentir urgênte e presente, para o bem da nação, pois que, "casa onde não há pão todos ralham e nínguém tem razão", " a montanha acaba sempre por parir um rato" com a agravante de atirar o país(território/população), para o precipício, pois que o mundo mudou, e vivemos uma crise mundial, que afecta a todos, pois todos devemos ter a responsabilidade, sentido de estado, pelos nossos actos, para encontramos juntos soluções, para problemas que ao longo dos 37 anos de independência, nunca se conseguiu resolver de... fome, miséria, pobreza, subdesenvolvimento, mais dialogo, mais abertura política na construção de planos de construção e progresso do país(Mar, Território, População), mais unidade, mais disciplina, mais empenho no trabalho árduo, para o desenvolvimento sutentável, da geração presente, bem como da futura, logo do país.

Nada de oposição, somente para derrubar, condenar, desunir, desestabilizar a sociedade,... pois que tal acto é semelhante a pescadinha de rabo na boca, peixe com rabo de fora, porque também é necessário assumir a vossa responsabilidade, na situação actual em que se encontra o pais(Território/população)

Pratiquemos o bem

Pois o bem

Fica-nos bem

Deus abençoe São Tomé e Príncipe


Hospedagem de Sites Low CostJornal Digital Cabinda Digital Luanda Digital Bissau Digital Timor Leste Cabo Verde Maputo Digital
Notícias no seu site Recrutamento Estatuto editorial Ficha técnica Contactos Publicidade Direitos autorais Banners