Links Úteis
Confidencial

Subscrever Newsletter

Internacional

Cimeira em Maputo

Guiné-Bissau: Governo de Transição considera posição da CPLP «contraproducente»

Bissau - O Governo de Transição da Guiné-Bissau considerou, esta quinta-feira, 12 de Julho, «contraproducente» e «anti-diálogo» a posição assumida pela Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP).

A CPLP indicou o Primeiro-ministro Carlos Gomes Júnior e o Presidente da República Raimundo Pereira, ambos depostos a 12 de Abril por um golpe militar, para representarem o país na cimeira da organização lusófona, a ter lugar a 20 de Julho, em Moçambique.

«Lamentamos esta decisão que consideramos contraproducente e anti-diálogo», disse o Executivo, questionando sobre a legalidade da medida.

Em declarações à imprensa, o ministro dos Negócios Estrangeiros, Faustino Fudut Imbali, disse acreditar que, caso a CPLP continue com esta posição, está a constituir-se um dos maiores obstáculos para a resolução dos problemas da Guiné-Bissau.

«Querer voltar à situação de 11 de Abril, para nós, é como projectar a Guiné-Bissau para uma guerra civil e este Governo não está interessado nessa situação», referiu Imbali.

O governante disse ainda não confiar que a CPLP tenha competência estatutária para indigitar representante de um Estado-membro numa cimeira.

«Temos muita responsabilidade, não queremos ser distraídos com uma questão que, com o tempo, vai ser resolvida», disse o ministro.

Interrogado sobre a presença dos dirigentes eleitos na reunião conforme defende a organização, Faustino Imbali disse que o assunto é questionável, frisando que o Governo da qual faz parte é legal, embora não haja a unanimidade de posições pela parte da comunidade internacional, tal como acontece na Síria.

O responsável pela pasta dos Negócios Estrangeiros do Governo de Transição constatou que a CPLP devia mediar a situação na Guiné-Bissau junto da comunidade internacional enquanto quem conhece de perto a situação do país.

«Actualmente, a CPLP está a posicionar-se como o maior obstáculo à estabilização total da Guiné-Bissau», frisou.

Perante o agudizar de posições entre a CPLP e o Governo saído de golpe de Estado, sobre quem deve representar Guiné-Bissau no encontro de Maputo, Faustino Imbali disse que este é um problema da CPLP, porque o seu Governo é legal.

«Lamentamos muito porque na situação em que encontra o país queríamos ter os nossos irmãos ao nosso lado», lamentou.

Sumba Nansil

(c) PNN Portuguese News Network

2012-07-12 17:06:54

MAIS ARTIGOS...
  TAP retoma voos para a Guiné-Bissau em Outubro
  Banco de Cabo Verde pronuncia-se sobre BES-CV
  IX edição dos Jogos da CPLP decorre em Angola
  ONU elogia acordo de cessar-fogo na RCA
  CPLP admitiu quatro novos países Observadores Associados
  Ébola faz 660 mortos na África Ocidental
  China constrói Palácio da Justiça na Guiné-Bissau
  Moçambique: Madeira pode acabar até 2029
  Moçambique: Elefantes correm sérios riscos de extinção
  Cabo Verde: Líderes parlamentares do PAICV e MpD vão anunciar órgãos externos
  Angola: Manuel Vicente satisfeito com entrada da Guiné Equatorial na CPLP
  Ex-Presidência da CPLP lança desafios à nova liderança

Comentários

Nome:

E-mail:

Comentário:


Comentários
  
TTeté  2012-07-13 00:49:53
Este homem não tem vergonha na cara, cada vez que ele fala sai só asneira na sua boca. Quero te perguntar CEDE AO agora representa o povo guineense? Estas a dizer que o vosso governo é legal. É só assim que você aparece no governo do nosso país, porque com os nossos votos nunca chegará ao governo com um sotaque forte desse.

Hospedagem de Sites Low CostJornal Digital Cabinda Digital Luanda Digital Bissau Digital Timor Leste Cabo Verde Maputo Digital
Notícias no seu site Recrutamento Estatuto editorial Ficha técnica Contactos Publicidade Direitos autorais Banners