Links Úteis
Confidencial

Subscrever Newsletter

Internacional

Início de instabilidade política e social

Renamo declara guerra em Moçambique e acusa PR de causar instabilidade no país

Maputo – A Renamo anunciou, na tarde desta quinta-feira, 4 de Abril, o início de uma instabilidade política e social em Moçambique, numa altura em que o país registou dois confrontos entre as forças policiais e os homens armados da Renamo, a 2 e 3 de Abril.

Segundo o partido da oposição, dois contingentes da polícia moçambicana, provenientes do distrito do Dondo, em Sofala, atacaram as sedes daquela formação político-militar em Muxungué e Gondola, localizadas nas províncias de Sofala e Manica, respectivamente.

Ossufo Momade, Chefe do departamento de Defesa da Renamo, disse em conferência de imprensa, em Maputo, que o seu partido tem estado a envidar esforços para evitar a guerra em Moçambique, desde que assinou o Acordo Geral de Roma.

Para Ossufo Momade, os últimos incidentes protagonizados pela polícia moçambicana obrigam o partido a agir em defesa dos seus militantes e interesses.

«Temos a informar dois factos recentes num país que está em paz, em que dois contingentes provenientes do Quartel-general do Dondo, província de Sofala, um dos quais se dirigiu à sede distrital de Gôndola, Província de Manica, onde atacou e dispersou os nossos membros na delegação política distrital, tendo detido o delegado político distrital e chefe provincial dos assuntos sociais da Província de Manica, do nosso partido», declarou o Chefe do departamento de Defesa da Renamo.

Dando continuidade, o Chefe das Forças Armadas do maior partido da oposição em Moçambique, disse que «outro contingente dirigiu-se ao posto administrativo de Muxungué, distrito de Chibabava, em Sofala, onde a FIR realizou um ataque terrorista contra os militantes reunidos na nossa delegação política do posto administrativo de Muxungué, como se de um quartel se tratasse, e onde igualmente usaram todo o tipo de armamento de guerra, com consequências graves que resultaram na morte de um cidadão honesto, com um obus de bazuca que caiu sobre a sua casa».

Neste incidente, segundo fontes do comando geral da polícia moçambicana, foram alvejados mortalmente quatro agentes da Polícia de Intervenção Rápida (PIR), que tomaram de assalto a sede da Renamo. Outros 13 agentes contraíram ferimentos graves e ligeiros.

Do lado da Renamo, as autoridades policiais confirmaram a morte do Comandante da força militar do partido, no distrito de Muxungué.

A Renamo, na voz de Ossufo Momade, disse que, perante a guerra que é movida pela Frelimo e o seu Governo, aquele partido político-militar vai reagir e atacar, pela primeira vez.

«Queremos comunicar ao povo moçambicano e à comunidade internacional que estamos cansados das perseguições, humilhações, da repressão, da ditadura e da escravatura, perante esta situação desumana e inaceitável num Estado de direito e de justiça social, onde os cidadãos devem gozar de liberdade de manifestação e de reunião, em qualquer parte do território nacional. Estando este direito impedido pelo regime da Frelimo, situação que não é de tolerar, a Renamo vê-se obrigada a responder e a perseguir todos aqueles que nos vêm atacar, até à sua proveniência, e as armas que vamos usar sairão dos próprios elementos da polícia que nos ataca».

O partido disse ainda que, mesmo em guerra, fará tudo ao seu alcance para defender a população indefesa: «Tudo faremos em defesa da população e aproveitamos, desde já, para informar que o principal responsável e culpado por esta situação é o Senhor Armando Guebuza e o seu Governo, que sempre prometeu e já veio, publicamente, de viva voz, dizer que, durante a sua governação, o seu objectivo número um é acabar com a Renamo no país», concluiu Momande.

De recordar que, em Outubro de 2010, a Renamo anunciou a criação do departamento militar, cujo objectivo era acabar com actos de violência protagonizados pela polícia moçambicana nos pleitos eleitorais, bem como acolher os cerca de dez mil ex-guerrilheiros que tinham sido incorporados e depois expulsos das fileiras das Forças de Defesa de Moçambique.

Ossufo Momade foi confiado por Afonso Dhlakama para dirigir o departamento de Segurança do partido.

(c) PNN Portuguese News Network

2013-04-04 19:21:52

MAIS ARTIGOS...
  Guiné-Bissau: PM presta declarações sobre deslocação ao estrangeiro
  Moçambique: Acordo de cessar-fogo entre Governo e Renamo refém de termos de garantia
  Cabo Verde: Inaugurado primeiro centro de hemodiálise
  Guiné-Bissau: Comunidade islâmica elogia posição do Governo sobre Dia da Reza
  Guiné-Bissau: Governo proíbe circulação de veículos sem chapas de matrícula
  Guiné-Bissau: Suspensos trabalhos de exploração de areia pesadas em Varela
  TAP retoma voos para a Guiné-Bissau em Outubro
  Banco de Cabo Verde pronuncia-se sobre BES-CV
  IX edição dos Jogos da CPLP decorre em Angola
  ONU elogia acordo de cessar-fogo na RCA
  CPLP admitiu quatro novos países Observadores Associados
  Ébola faz 660 mortos na África Ocidental

Comentários

Nome:

E-mail:

Comentário:


Comentários
  
1  2014-07-17 20:57:27
1

Hospedagem de Sites Low CostJornal Digital Cabinda Digital Luanda Digital Bissau Digital Timor Leste Cabo Verde Maputo Digital
Notícias no seu site Recrutamento Estatuto editorial Ficha técnica Contactos Publicidade Direitos autorais Banners